Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Rádio

Publicidade

Política

Moçambique: Justiça formaliza acusação contra ex-ministro dos Transportes

| Editoria Política | 28/06/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Ministério Público de Moçambique deduziu acusação contra o ex-ministro dos Transportes e Comunicações, Paulo Zucula, e contra o arquitecto e empresário Emiliano Finochi, num caso de corrupção envolvendo a construtora brasileira Odebrecht, anunciou hoje aquela entidade.

Em nota de imprensa, o Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC), que assume a competência de Ministério Público naquele tipo de delitos, refere que submeteu na quarta-feira a acusação ao Tribunal Judicial da Cidade de Maputo, para julgamento.

Paulo Zucula e Emiliano Finochi são acusados de crimes de corrupção passiva para acto ilícito e branqueamento de capitais na forma continuada.

Além de Zucula, o GCCC refere-se ao "envolvimento de alguns dirigentes" no caso, mas não indica os nomes.

Os arguidos terão recebido subornos pagos pela Odebrecht, no âmbito da construção do Aeroporto Internacional de Nacala, norte de Moçambique, e do Terminal de Carvão da Beira, centro do país.

Paulo Zucula, que ocupou a pasta dos Transportes e Comunicações entre 2008 e 2014, encontra-se detido desde o dia 06 deste mês e Emiliano Finochi esteve detido, mas saiu em liberdade após pagar 20 milhões de meticais (cerca 283 mil euros) de caução.

Em Março, Zucula foi condenado a 14 meses de prisão, convertidos em multa, após o tribunal considerar o antigo dirigente culpado por ter ordenado o pagamento de remunerações indevidas a membros da administração do regulador da aviação civil moçambicana.

O ex-ministro dos Transportes e Comunicações é também arguido num caso de corrupção envolvendo a fabricante brasileira Embraer na venda de aviões à transportadora Linhas Aéreas de Moçambique (LAM).

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade