Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Política

Tentativa de golpe de Estado frustrado no Sudão

| Editoria Política | 25/07/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Um golpe de Estado foi frustrada, na quarta-feira última, em Cartum e seus autores detidos, anunciou hoje, 25 de julho, o Exército sudanês num comunicado oficial.

De acordo com a nota, oficiais superiores do Exército e de segurança, bem como alguns membros do partido do deposto Presidente Omar el-Bechir, Partido do Congresso Nacional, figuram entre os autores deste acometimento.

Também foram mencionados líderes do movimento islâmico e membros do ex-partido no poder.

"O principal responsável pelo golpe de Estado frustrado (quarta-feira última) é o general do Exército, Hashim Abdul Motalib Ahmed, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas”, lê-se no documento a que a Agência Sudanesa de Notícias (SUNA) teve acesso.

Os protagonistas desta tentativa de golpe de Estado foram detidos e estão a ser interrogados antes do seu julgamento, segundo o  documento.

"O objetivo do golpe de Estado frustrado era  fazer fracassar a gloriosa revolução popular,  entregar a direção do Governo ao antigo  Partido do Congresso Nacional e bloquear a via à solução política conducente à formação de  um Governo civil com que sonha o povo sudanês”, indica o comunicado.

"As vossas corajosas forças populares, as Forças de Apoio Rápido, as forças de Polícia e os Serviços Nacionais de Inteligência e Segurança continuarão unidos e reafirmarão o seu compromisso com a proteção da pátria e das suas conquistas, bem como os objetivos da revolução e a aspiração do povo sudanês a uma vida decente, segura e estável”, pode ler-se na nota militar.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade