Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Rádio

Publicidade

Política

Moçambique: Assinado acordo definitivo de cessação das hostilidades

| Editoria Política | 02/08/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Finalmente foi assinado ontem, 1 de Agosto, o histórico acordo de cessação definitiva das hostilidades militares em Moçambique. O acordo foi rubricado no parque nacional de Gorongosa, pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, e Ossufo Momade, líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição.

Para o Presidente da República, Filipe Nyusi, o acordo abre uma nova página no processo de reconciliação nacional. “Ficam para a história as hostilidades entre membros da mesma família, somos nós os moçambicanos que escolhemos enterrar definitivamente a confrontação armada (…) pois sabemos quão nefastos são os horrores da guerra para as presentes e futuras gerações”.

Por sua vez, Ossufo Momade considera que o acordo marca um lugar na história e enterra a ideia de resolver as diferenças políticas com guerra. “Com o fim das hostilidades aguardamos garantias de livre circulação e disputas limpas, em prol da democracia e da convivência fraterna”, disse.

Este acordo de cessação de hostilidades militares acontece depois do início do desarmamento dos guerrilheiros da RENAMO esta segunda-feira (29/07), um processo que se seguiu à aprovação pela Assembleia da República da Lei de Amnistia, que perdoa os crimes praticados durante os confrontos armados, que envolveram as tropas governamentais e os guerrilheiros da principal força política da oposição, após 2014 aquando da assinatura do precedente Acordo.

O líder da Renamo e o Presidente da República deixaram juntos a Serra da Gorongosa com destino a Maputo e devem ambos falar à imprensa mesmo à chegada, no Aeroporto internacional de Maputo, Base Áerea.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade