Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Cultura

Etiópia: Antigo palácio dos imperadores aberto ao público

| Editoria Cultura | 11/10/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O antigo palácio dos imperadores da Etiópia, que também serviu de local de tortura sob o regime comunista de Haile Mariam Mengistu (1974-1991), foi reformado e agora está aberto ao público fruto de uma política de promoção do turismo.

Renomeado "Parque da Unidade" e renovado graças a uma doação de  160 milhões de dólares dos Emirados Árabes Unidos, o palácio construído no final do século 19 foi oficialmente inaugurado no dia 10 no entanto, as  portas só foram abertas  ao público nesta sexta-feira(11).

O primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed que esperava por essa inauguração desde a sua ascensão ao poder em Abril de 2018 e que acompanhou de perto o trabalho de renovação, disse no tweet que a concretização deste projecto "simboliza" o " capacidade (dos etíopes) de se unir ".

Este palácio foi construído pelo imperador Menelik II, fundador da capital Adis Abeba (nova flor em amárico). Os imperadores da Etiópia viveram lá por mais de um século.

Os visitantes poderão ver uma espada que pertencia a Menelik II, uma estátua em tamanho real do imperador Haile Selassie que viveu lá pela primeira vez e foi detida depois de ser derrubada pelo regime comunista do Derg liderado por Mengistu em 1974.

Estátuas que homenageiam as diferentes regiões da Etiópia também são instaladas nos jardins e um zoológico estará  aberto até ao final do ano.

A reforma económica lançada em Setembro pelo governo identifica o turismo como um pilar da criação de empregos na Etiópia.

Altos funcionários do governo e o corpo diplomático visitaram o palácio e participariam num banquete com a presença de cinco chefes de estado da região.

O jornalista e ex-prisioneiro político Eskinder Nega lamenta que as reformas tenham ocorrido sem a consulta pública.

"É uma questão de preservação da herança e as pessoas devem ter uma opinião sobre isso, disse Nega acrescentando que a decisão foi tomada no topo e implementada apenas porque o primeiro-ministro decidiu".

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade