Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2019

ÁFRICA

ELEIÇÕES E DEMOCRACIA EM ÁFRICA A CONTROVÉRSIA SOBRE UM MODELO QUE SE IMPÕE

ÁFRICA

Calendário das Eleições em África 2019

ÁFRICA

O REFINAMENTO DOS REGIMES AUTORITÁRIOS NÃO É SÓ COISA DE AFRICANOS

CONGO RD

AS ELEIÇÕES NA RD CONGO AS PRECIOSAS LIÇÕES QUE A RD CONGO APRENDEU COM A CÔTE D’IVOIRE

ÁFRICA

A África é segunda no ranking mundial da desflorestação

EGITO

África quer tornar comércio intra-africano uma marca

ÁFRICA

«Guerra contra o terrorismo islâmico em Africa»: Anatomia de um fracasso

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

Rádio

Publicidade

Economia

Correios da Guiné-Bissau “voltam a funcionar a 100%” com reinício dos voos da TAP

| Editoria Economia | 09/10/2014

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O diretor-geral dos Correios da Guiné-Bissau (CGB) garantiu hoje que a empresa voltará a funcionar "a 100%" com a retoma dos voos diretos da TAP entre Lisboa e Bissau, a partir do dia 28.

A companhia aérea portuguesa é a única a ligar diretamente a Guiné-Bissau e a Europa
DR

A companhia aérea portuguesa é a única a ligar diretamente a Guiné-Bissau e a Europa e é a graças a ela que os Correios da Guiné-Bissau enviam e recebem toda a correspondência internacional.

"Desde que a TAP deixou de voar para Bissau, [em dezembro de 2013] ficámos bloqueados", referiu Lino Leal da Silva.

Tanto as encomendas expedidas como recebidas "ficam retidas durante dias", observou Leal da Silva, que falava numa conferência de imprensa para assinalar o 140.º aniversário da União Postal Universal (UPU), da qual a Guiné-Bissau faz parte.

Atualmente, o correio é enviado após reunidas receitas de caixa suficientes para pagar às companhias Air Senegal ou Royal Air Maroc (que também servem Bissau), sem garantia sobre prazos de entrega.

Trata-se de uma situação "muito difícil", referiu Leal da Silva, uma vez que a TAP é a única companhia que tem um acordo de troca de serviços com os CGB.

O problema é que há dias em que o balcão dos correios nem 2000 francos CFA consegue arrecadar porque já são poucas as pessoas que procuram os seus serviços.

Além da fraca produtividade, Lino Leal lamentou também o facto de haver mais de 60 meses de salários intercalados em atraso na empresa pública.

O diretor diz ser preciso retomar a atividade "em força" e ainda proceder ao saneamento dos CGB que, afirmou, não pode continuar com mais de 100 funcionários.

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade