Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Economia

Correios da Guiné-Bissau “voltam a funcionar a 100%” com reinício dos voos da TAP

| Editoria Economia | 09/10/2014

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O diretor-geral dos Correios da Guiné-Bissau (CGB) garantiu hoje que a empresa voltará a funcionar "a 100%" com a retoma dos voos diretos da TAP entre Lisboa e Bissau, a partir do dia 28.

A companhia aérea portuguesa é a única a ligar diretamente a Guiné-Bissau e a Europa
DR

A companhia aérea portuguesa é a única a ligar diretamente a Guiné-Bissau e a Europa e é a graças a ela que os Correios da Guiné-Bissau enviam e recebem toda a correspondência internacional.

"Desde que a TAP deixou de voar para Bissau, [em dezembro de 2013] ficámos bloqueados", referiu Lino Leal da Silva.

Tanto as encomendas expedidas como recebidas "ficam retidas durante dias", observou Leal da Silva, que falava numa conferência de imprensa para assinalar o 140.º aniversário da União Postal Universal (UPU), da qual a Guiné-Bissau faz parte.

Atualmente, o correio é enviado após reunidas receitas de caixa suficientes para pagar às companhias Air Senegal ou Royal Air Maroc (que também servem Bissau), sem garantia sobre prazos de entrega.

Trata-se de uma situação "muito difícil", referiu Leal da Silva, uma vez que a TAP é a única companhia que tem um acordo de troca de serviços com os CGB.

O problema é que há dias em que o balcão dos correios nem 2000 francos CFA consegue arrecadar porque já são poucas as pessoas que procuram os seus serviços.

Além da fraca produtividade, Lino Leal lamentou também o facto de haver mais de 60 meses de salários intercalados em atraso na empresa pública.

O diretor diz ser preciso retomar a atividade "em força" e ainda proceder ao saneamento dos CGB que, afirmou, não pode continuar com mais de 100 funcionários.

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade